Dietas SPECIFIC Derma e Allergy (incluindo atopia e alergias alimentares)

A SPECIFIC disponibiliza uma gama de dietas para o tratamento de todo o espectro de alergias - atopia, alergias alimentares e alergias combinadas. A SPECIFIC proporciona benefícios para a saúde de cães e gatos através da Allergen Management, Allergen Management Plus e Skin Function Support, nas formas húmida e seca. 

  • Redução da alergenicidade com dietas de proteínas hidrolisadas e novas e ingredientes limitados
  • Apoio superior à pele com níveis excecionalmente elevados de ácidos gordos ómega 3 EPA e DHA de óleo de peixe e krill; ácido gordo ómega 6 GLA de óleo de borragem e vitaminas A, E e do complexo B, proteínas, zinco e selénio, para manter uma pele e uma pelagem saudáveis.

SPECIFIC Derma and Allergy diet Range

Nutrição e dermatite alérgica (gestão multimodal)

A gestão da atopia requer frequentemente uma abordagem holística. O prurido é o principal sintoma nos animais de estimação com doenças alérgicas da pele. O grau de prurido é o resultado de diferentes fatores, como a presença de parasitas, infeções, exposição a agentes alergénicos ambientais ou alimentares, pele seca e stress, fatores esses que contribuem para o prurido.

Os animais de estimação podem tolerar um determinado nível de prurido sem sentirem comichão. No entanto, quando a soma de todos os estímulos ultrapassa um determinado limiar, o animal de estimação começa a coçar-se, podendo provocar mais lesões ou infeções cutâneas.

Nos animais de estimação com problemas cutâneos alérgicos, é importante reduzir o nível de prurido abaixo do limiar crítico. Na prática, tal significa geralmente que não se deve reduzir apenas um único estímulo de prurido, mas que os animais de estimação alérgicos podem ser melhor controlados através da redução de vários estímulos de prurido.

Muitas vezes, a gestão nutricional não é suficiente como única terapia para a dermatite atópica. As dietas especiais, que apoiam a saúde básica da pele, evitam agentes alergénicos alimentares provocadores, fornecem nutrientes funcionais que suportam a função de barreira cutânea e reduzem as reações inflamatórias, são amplamente reconhecidas como meios valiosos para a gestão da dermatite alérgica.

De facto, independentemente da causa, para todas as dermatoses com pele e pelagem comprometidas, uma dieta especial rica em nutrientes de apoio cutâneo pode ajudar a restaurar as lesões cutâneas e o crescimento do pelo. 

Os animais de estimação com doenças alérgicas cutâneas são mais sensíveis a infeções por leveduras ou bactérias. As infeções cutâneas por bactérias e Malassezia contribuem para a inflamação e a libertação de mediadores pruriginosos. Para além disso, podem atuar como agentes alergénicos, contra os quais os animais de companhia produzem IgE. O tratamento imediato das infeções contribui para a redução do prurido.

Uma análise mostrou que 78% dos casos de otite externa canina tinham atopia ou alergia alimentar subjacente. A gestão nutricional da causa subjacente pode reduzir as otites recorrentes e a necessidade de tratamento recorrente com antibióticos.

Em casos individuais, pode ser necessária medicação adicional com glucocorticóides, anti-histamínicos, oclacitibib ou ciclosporina, para manter o nível de prurido abaixo do limiar individual de prurido por tratamento. O consumo excessivo de ácidos gordos pode reduzir a dose necessária de medicamentos.

Também os cuidados adicionais podem contribuir para uma gestão ideal dos cães e gatos alérgicos:

  • Para reduzir o prurido causado por uma reação alérgica aos agentes alergénicos ambientais, é importante reduzir ao máximo a carga de agentes alergénicos. A exposição aos ácaros pode ser reduzida se a dieta do animal for armazenada num recipiente limpo e fechado 
  • É essencial um controlo rigoroso das pulgas no animal de estimação e no seu ambiente
  • O escovar regular e o banho frequente podem reduzir o prurido nos animais de estimação atópicos, eliminando alterações secundárias como a descamação excessiva ou a pele gordurosa, e removendo os agentes alergénicos agressores da pele.
  • Na redução do grau de prurido pode ser útil a utilização de champôs anti-pruriginosos, anti-microbianos ou hidratantes, loções antimicrobianas tópicas, glucocorticóides tópicos ou sprays anestésicos, cremes ou pomadas.

Impacto da nutrição na pele e na pelagem

A pele é o maior órgão do corpo e, com a sua elevada renovação celular e taxa metabólica, possui uma elevada necessidade fisiológica de nutrientes de apoio à pele para manter a sua estrutura, a função de barreira cutânea e a saúde. São importantes diversos nutrientes para a manutenção de uma pele e de uma pelagem saudáveis:

mas sobretudo o ácido gordo essencial ómega 6, o ácido linoleico (C18:2n-6), é importante para a produção de sebo e para a manutenção da barreira cutânea de permeabilidade à água; uma carência alimentar em ácido linoleico resulta numa pelagem baça, seca e com escamas finas

especialmente a metionina, a cisteína e a prolina) são importantes para o crescimento do cabelo, a queratinização e a pigmentação da pele. A subnutrição em proteínas provoca pelo quebradiço e despigmentado, queda de pelo, crescimento reduzido do mesmo e pele fina e inelástica. A fenilalanina e a tirosina são precursoras da melanina e são necessárias para a manutenção da pelagem negra. Uma carência relativa destes aminoácidos altera a cor de uma pelagem preta para vermelho-acastanhado.

é uma parte essencial de várias enzimas, importantes para as células em rápido processo de divisão, como as células epidérmicas, a biossíntese de ácidos gordos e a metabolização da vitamina A. Os sintomas cutâneos da deficiência de zinco são pelagem baça e áspera, eritema, alopecia, crostas e escamas, especialmente à volta dos olhos, focinho, boca, pavilhões, patas e pontos de pressão nos membros.

é particularmente importante para a queratinização e a deficiência de vitamina A resulta em hiperqueratinização, descamação, alopecia, redução do crescimento do pelo e redução da resposta imunitária às infeções cutâneas.

é um antioxidante natural que, em conjunto com o selénio, desempenha um papel importante na estabilidade das membranas celulares. As necessidades dietéticas de vitamina E aumentam com o aumento do nível dietético de ácidos gordos polinsaturados. Nos gatos, a deficiência de vitamina E resulta em pansteatite (inflamação e necrose da gordura subcutânea e abdominal como resultado da peroxidação lipídica).

são necessárias como co-fator em muitos processos metabólicos e uma deficiência em vitaminas B está muitas vezes associada a sinais dermatológicos como alopecia, seborreia seca e escamosa e um mau estado da pele e da pelagem.

A Dechra academy disponibiliza uma gama de formação online, incluindo este curso relacionado com alergia e atopia

The Role of Nutrition in Managing Allergies and Atopic Dermatitis

Este curso abrange o papel da nutrição, como parte de uma abordagem multimodal da dermatite atópica, o valor da hidrólise das proteínas e dos PUFAs, e a gestão dos ensaios de eliminação.

Registe-se na Dechra Academy

Já se registou na Dechra Academy? - vá diretamente para o curso:

Aceda ao módulo sobre gestão das alergias

 

Dechra Academy The Role of Nutrition in Managing Allergies and Atopic Dermatitis

Necessidades nutricionais para alergias alimentares

O prognóstico para animais de estimação com alergia alimentar é muito bom. A alergia alimentar, por si só, não pode ser curada, mas os sintomas clínicos podem ser prevenidos ao evitar os ingredientes aos quais o paciente apresenta uma reação adversa.  Existem dois tipos de dietas com baixa alergenicidade: as dietas que utilizam ingredientes pouco comuns ou "novos" e as dietas que utilizam proteínas hidrolisadas.

A eficácia das dietas hipoalergénicas com base em ingredientes novos ou invulgares baseia-se no facto de as reações imunológicas aos componentes dos alimentos (principalmente as relacionadas com a IgE do tipo I) apenas ocorrerem se o animal de estimação já tiver sido anteriormente exposto ao agente alergénico, de forma a que o seu sistema imunitário seja desencadeado para reagir ao agente alergénico alimentar numa exposição posterior. A composição da dieta hipoalergénica ideal depende essencialmente dos ingredientes a que o cão ou o gato esteve exposto ao longo da sua vida. Encontrar uma dieta com ingredientes que o paciente nunca comeu pode ser difícil, especialmente com o número crescente de alimentos para animais de estimação que incluem fontes de proteínas exóticas. Deverá ser obtido e avaliado um histórico alimentar exaustivo, incluindo todos os produtos que o paciente consumiu durante a sua vida e os ingredientes incluídos nos produtos compostos.

Uma nutrição comercial ou caseira com base em ingredientes novos pode ser usada para gerir as reações adversas aos alimentos. Alguns autores preferem dietas caseiras, especialmente para uso enquanto dieta de eliminação, já que estas não contêm aditivos alimentares (sugeridos como possíveis causas de reações adversas) ou componentes produzidos durante o processamento a elevadas temperaturas. Por outro lado, as dietas caseiras podem ser dispendiosas e de preparação demorada, ou podem induzir obstipação ou diarreia. Uma das principais desvantagens é que a maioria das dietas caseiras para o tratamento inicial de cães e gatos com suspeitas de reações alimentares indesejadas não são dietas nutricionalmente completas e, portanto, não podem ser utilizadas para animais em crescimento ou para utilização a longo prazo.

Existem várias dietas hipoalergénicas terapêuticas veterinárias comerciais disponíveis no mercado, que são nutricionalmente completas e equilibradas e de utilização mais conveniente. Embora nenhuma dieta comercial seja eficaz em todos os pacientes, muitas delas foram testadas para demonstrar a sua eficácia. Devem ser evitados os alimentos de venda livre com ingredientes pouco comuns, já que alguns deles podem conter várias fontes de proteínas e incluir vestígios de proteínas comuns dos alimentos para animais de estimação não mencionadas no rótulo.

As respostas imunológicas aos componentes dos alimentos são geralmente contra glicoproteínas, geralmente com um tamanho que varia entre 10 e 40 quilodalton. A hidrólise enzimática da proteína em pequenos fragmentos de péptidos reduzirá a sua alergenicidade, porque os epítopos prejudiciais serão decompostos, de forma a não se ligarem aos recetores de IgE na superfície dos mastócitos. Para além disso, a ativação dos mastócitos requer a ligação cruzada de duas ou mais moléculas de IgE ligadas aos recetores de IgE nos mastócitos. Tal significa que o agente alergénico tem de ser suficientemente grande para se ligar a dois recetores IgE. Este tamanho foi definido em medicina humana como sendo superior a 10 kD, mas não existem dados relativos a cães ou gatos.

Estão disponíveis várias dietas terapêuticas comerciais à base de proteínas hidrolisadas. Estas dietas constituem uma boa opção caso o paciente tenha sido exposto a múltiplas fontes de proteínas ou se o historial alimentar for incompleto. Estudos demonstraram que as dietas comerciais à base de proteínas hidrolisadas são eficazes no controlo dos sinais clínicos na maioria dos cães e gatos com alergia alimentar. Tal como acontece com as dietas hipoalergénicas comerciais à base de novas proteínas, uma dieta à base de proteínas hidrolisadas não será eficaz em todos os doentes com alergia alimentar. Uma pequena percentagem de animais pode reagir ao hidrolisado32 ou a outros ingredientes da dieta (fontes de hidratos de carbono ou de gordura, aditivos, novos antigénios criados durante a transformação). As dietas terapêuticas veterinárias comerciais à base de proteínas hidrolisadas são dietas completas e equilibradas, pelo que permitem a alimentação a longo prazo de cães e gatos com alergia alimentar.

De que forma é que a nutrição pode ajudar na dermatite atópica?

A epiderme do cão e do gato desempenha um papel importante na prevenção da perda transepidérmica de água e na proteção do organismo contra efeitos ambientais potencialmente nocivos, tal como o contacto com alergénios, irritantes, toxinas e traumatismos físicos. Especialmente o estrato córneo, composto por células achatadas numa matriz lipídica, é importante para a função de barreira epidérmica. Existem cada vez mais provas de que a barreira cutânea comprometida e a suscetibilidade associada à invasão por agentes alergénicos ambientais desempenham um papel na dermatite atópica canina. Os cães atópicos têm uma estrutura anormal e incompleta dos lípidos lamelares e um conteúdo lipídico reduzido no estrato córneo. A suplementação com ácidos gordos melhorou a barreira lipídica cutânea comprometida em cães com dermatite atópica. Também a suplementação oral com uma combinação de pantotenato, colina, nicotinamida, histidina e inositol melhorou a função de barreira cutânea, medida pela redução da perda de água transepidérmica.

O ácido linoleico (LA) é o ácido gordo principal do grupo de ómega 6 e o ácido alfa-linolénico (ALA) do grupo de ómega 3.

Os óleos vegetais, como o óleo de girassol e o óleo de cártamo, são uma fonte rica em LA e o ALA está presente no óleo de linhaça.

Os ácidos gordos essenciais têm de ser fornecidos através da dieta, mas quando entram no organismo, o LA e o ALA podem ser mais dessaturados e alongados através de enzimas.

Na família de ómega 6, o ácido linoleico (LA) pode ser metabolizado em ácido gama-linolénico (GLA), ácido dihomo-gama-linolénico (DGLA) e ácido araquidónico (AA).

Dentro da família dos ómega 3, o ALA pode ser metabolizado para formar ácido eicosapentaenóico (EPA) e ácido docosahexaenóico (DHA). No entanto, a atividade das enzimas dessaturase é muito baixa nos cães e quase inexistente nos gatos, pelo que a metabolização do ALA em EPA e DHA e do LA em GLA é muito ineficaz.

No entanto, o EPA e o DHA também podem ser obtidos diretamente através da ingestão alimentar de fontes marinhas, como o óleo de peixe, as algas e o krill. O consumo de óleo de borragem ou de óleo de onagra fornece GLA.

O efeito benéfico dos ácidos gordos nas dermatoses inflamatórias é mediado pela produção de eicosanóides (prostaglandinas e leucotrienos), sintetizados a partir dos ácidos gordos ómega 3 e ómega 6.

Os eicosanóides são moléculas de sinalização provenientes dos ácidos gordos ómega 3 e ómega 6, que desempenham um papel importante na inflamação.

Os leucotrienos e as prostaglandinas, derivados do AA (o ácido gordo parental do grupo dos ómega 6), possuem um efeito favorável à inflamação e desempenham um papel central no processo inflamatório, podendo, quando produzidos em quantidades excessivas e por períodos de tempo prolongados, resultar em condições patológicas.

Os leucotrienos e as prostaglandinas, que são produzidos a partir do EPA e do DGLA, possuem uma estrutura e uma função diferentes das produzidas a partir do AA. Os eicosanóides produzidos a partir de EPA e DGLA possuem um efeito mais anti-inflamatório.

A resposta inflamatória de um cão ou gato pode ser manipulada pela ingestão de ácidos gordos na dieta: ao suplementar um animal de estimação com EPA "pré-formado" extra (derivado de óleo de peixe, algas ou krill) e/ou GLA (de óleo de borragem ou óleo de onagra), mais EPA e GLA (e, portanto, mais DGLA) serão incorporados nas membranas celulares do animal de estimação, o que levará a uma menor produção de eicosanóides pró-inflamatórios derivados de AA e a uma maior produção de eicosanóides anti-inflamatórios a partir de EPA e DGLA. Tal resulta numa redução da resposta inflamatória natural do organismo.

Gestão da atopia causada por alergias combinadas

Os animais de estimação com alergias correm um maior risco de desenvolver outras hipersensibilidades. A maior parte dos animais de estimação com alergia alimentar são alérgicos a mais do que um componente alimentar e os cães atópicos apresentam frequentemente reações alérgicas a mais alergénios2.

Os animais de estimação alérgicos podem também sofrer de diferentes tipos de alergia. A combinação de atopia, alergia alimentar e/ou dermatite alérgica a pulgas é bem conhecida. Os cães com atopia parecem estar predispostos ao desenvolvimento de alergénios de pulgas. 

Estima-se que 20-30% dos casos com alergia alimentar têm simultaneamente atopia ou dermatite alérgica a pulgas.

20-30% of the cases with food allergy have atopy or flea-allergic dermatitis

Em estudos específicos com cães diagnosticados com reações adversas aos alimentos, 44% a 59% deles apresentavam atopia concomitante.

 adverse food reactions, 44% to 59% of them had concurrent atopy

De um grupo de cães atópicos que foram testados para reações adversas aos alimentos, 47% dos cães atópicos apresentavam alergia alimentar concomitante.

 47% of the atopic dogs had concurrent food allergy

A base da prevenção dos sinais clínicos das alergias é evitar os alergénios e, caso isso não seja (totalmente) possível, atenuar a gravidade dos sinais clínicos através de medidas de apoio. Os sintomas da alergia alimentar podem ser prevenidos evitando o agente alergénico agressor na dieta. As dietas hipoalergénicas para a gestão da alergia alimentar são constituídas por um número limitado de ingredientes com baixa alergenicidade, como novas fontes de proteínas ou proteínas hidrolisadas. No caso das alergias em que a exposição ao agente alergénico não possa ser totalmente evitada (como a atopia, a alergia às pulgas ou a alergia de contacto), o objetivo da gestão dietética é suportar a barreira cutânea e amortecer as reações inflamatórias cutâneas através de níveis elevados de ácidos gordos EPA de origem marinha e GLA do óleo de borragem. Para o tratamento de uma combinação de alergia alimentar e outros tipos de alergias, devem ser aplicados os dois princípios: uma dieta hipoalergénica com níveis elevados de EPA e GLA.

Dietas SPECIFIC Derma e Allergy - Perguntas frequentes

A alergia alimentar só pode ser diagnosticada através de um teste de eliminação, não existindo outros testes fiáveis. Por conseguinte, para estabelecer o diagnóstico correto, é essencial a realização de um teste de eliminação. No entanto, por vezes os detentores dos animais de estimação não estão dispostos a ou não têm a possibilidade de efetuar um teste de eliminação. Nestes casos, recomenda-se o uso de Food Allergy Management (Gestão da Alergia Alimentar) e a avaliação da resposta do animal à dieta.

Sim, é possível apresentar uma reação adversa às fontes de ácidos gordos ómega 3 e ómega 6 (como as gorduras e os óleos). A alergenicidade dos óleos e gorduras alimentares está relacionada com a presença de proteínas residuais. Sugere-se que, nos óleos alimentares brutos, o teor de proteínas seja da ordem de 0,1-0,3 mg/ml; nos óleos refinados, este nível é reduzido cerca de 100 vezes. Estudos demonstraram que o crude pode provocar reações alérgicas em indivíduos alérgicos sensíveis; presume-se que os óleos refinados não representam um risco de provocar reações alérgicas na maioria dos indivíduos alérgicos.

Devem ser considerados os tipos de gordura utilizados nas dietas hipoalergénicas, uma vez que os tipos de gorduras e o óleo refinado podem conter vestígios de potenciais alergénios proteicos.

A gordura suína que se encontra revestida nas dietas hipoalergénicas SPECIFIC secas demonstrou, através de uma análise PCR, não conter proteínas de suíno e, por conseguinte, não induzirá uma reação adversa nos animais de estimação alérgicos à carne suína.

O óleo de peixe que é utilizado nas dietas hipoalergénicas SPECIFIC é também testado por análise PCR e não contém proteínas de peixe, pelo que não induzirá uma reação adversa em animais de estimação com alergia ao peixe.

Os animais de estimação com alergia alimentar que não apresentam sintomas clínicos com uma determinada dieta hipoalergénica e que são submetidos a outra dieta hipoalergénica podem apresentar uma recaída dos sintomas clínicos num período de 2 a 3 semanas.

Nos animais de estimação que sofrem atualmente com sintomas de alergia alimentar, pode levar até 6 a 10 semanas antes que se observe uma nítida melhoria quando alimentados com uma dieta hipoalergénica adequada (especialmente em caso de sinais clínicos dermatológicos; os sinais gastrointestinais de reações adversas aos alimentos tendem a melhorar mais rapidamente). Por este motivo, recomenda-se a realização de um ensaio de eliminação durante um período de, pelo menos, 8 semanas (Olivry et al 2015).

Para mais informações, incluindo respostas a perguntas específicas:

Visite a página de Perguntas Frequentes da SPECIFIC

Recursos de dieta Derma e Allergy

Support Materials add

This editable PDF allows you to collect key information from your clients regarding their pets diets and symptoms of allergy

Click here to download

This product selector helps you find the correct diet for the different types of allergy

Click here to download

A simple leaflet explaining SPECIFIC allergy diets for dogs that you can e mail to your clients

Click here to download

A simple leaflet explaining SPECIFIC allergy diets for dogs that you can e-mail to your clients

Click here to download

A selection of social media graphics and text that you can use on your social media discussing allergy and atopy

Click here to download

This owner video talks about seasonal allergies and can be used on your social media feeds with the following link https://youtu.be/ASztcHPwm1Q

Derma & Allergy Product Data Sheet

Full product data sheets are available at the SPECIFIC product information book including

  • Indications for each diet
  • Properties and rational for the composition
  • Ingredients
  • Feeding amounts
  • Nutrient data
  • Any contra indications

Click here

SPECIFIC owner website

The SPECIFIC owner web sites provide a valuable tool to help explain nutrition to your clients.  With pages talking about the condition and the role nutrition plays in supporting management of those conditions and details of the individual products that you may be recommending.

If you would like to link to the SPECIFIC owner web sites, the address is www.specific-diets.co.uk/

 

keyboard_arrow_up